Grupo enrolado na Lava Jato vence leilão para operar terminais no Porto de Santos

Uma empresa associada à corrupção descoberta na Lava Jato venceu hoje um leilão para operar terminais no Porto de Santos. A Empresa Brasileira de Terminais e Armazéns Gerais ofereceu pagar R$ 210 milhões pelo direito de explorar esses terminais. O processo foi conduzido pela Antaq, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Diretores da Antaq foram indicados pelo PR e pelo PMDB.

Essa empresa pertence formalmente ao grupo do controverso empresário Carlos Santiago, morto há dois anos. É tocada pela viúva de Santiago e por diretores que estão no grupo há anos – alguns há décadas. Esse grupo também opera no mercado de combustíveis e de postos.

Santiago foi alvo da Lava Jato por suspeita de pagar propina a políticos e diretores da BR Distribuidora para que sua rede de postos fosse “embandeirada” pela subsidiária da Petrobras. Em 2011, a BR pagou um valor considerado fora dos padrões de mercado para que a rede de Santiago passasse a vender combustível da subsidiária da Petrobras. Essa rede era operada em sociedade com diretores do BTG Pactual. (A sociedade foi desfeita anos depois.)

Os doleiros Alberto Youssef e Leonardo Meirelles disseram, em delações premiadas, que receberam US$ 3,5 milhões associados aos diretores do BTG numa conta secreta em Hong Kong, por meio da offshore Ocean Fish Overseas. Esse dinheiro, segundo eles e as investigações da Lava Jato, foi repassado no Brasil, em cash, como propina ao senador Fernando Collor, que indicara o presidente da BR Distribuidora, e a outros agentes públicos. De acordo com quem participou do negócio, a propina serviu para que a BR topasse pagar um valor superfaturado para que a rede de postos de Santiago e dos diretores do BTG vendesse combustível da distribuidora. Collor é réu nesse caso no Supremo. Ele e os demais envolvidos negam qualquer ilegalidade no negócio.

Revelamos esse caso na revista ÉPOCA, em fevereiro de 2015. Em julho do mesmo ano, a Procuradoria-Geral da República deflagrou a operação Politeia, avançando no caso. Na ocasião, a Polícia Federal apreendeu R$ 3,6 milhões num do endereços de Santiago. Elementos da delação de Meirelles foram acrescentadas ao caso no ano seguinte. Autoridades brasileiras esperam a colaboração de Hong Kong nesse e em outros casos, que envolvem políticos do PTB e do PMDB.

Santiago também já foi acusado de adulterar combustíveis e chegou a ser preso nos anos 90, acusado de aliciar menores.

 

2 comentários em “Grupo enrolado na Lava Jato vence leilão para operar terminais no Porto de Santos

Deixe uma resposta